Ponta Grossa é a primeira cidade do Paraná com máquina para reciclar isopor

     Na manhã dessa sexta-feira (02), a Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Oficinas (ACAMARO), recebeu uma máquina que recicla embalagens feitas de Poliestireno Expandido (EPS), popularmente conhecido pela marca comercial Isopor. A ACAMARO é a primeira associação de catadores do Paraná a receber a máquina de reciclagem de isopor. Além da ACAMARO, as associações ACAMARU, ARREP e ACAMARUVA também vão reciclar o isopor na máquina.
     A máquina faz parte de um acordo de cooperação técnica assinado entre a Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Meiwa Indústria e Comércio Ltda, Santa Luzia Molduras, RMB Máquinas e Embalagens Ltda e Sindicatodos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Estado do Paraná (Sinepe). A ideia da reciclagem do isopor surgiu através do Movimento ViraMais, que foi criado e é patrocinado pela empresa Meiwa. A ideia de trazer uma máquina de reciclagem de isopor surgiu depois do sucesso do Projeto Planeta Reciclável promovido pelo Sinepe em Ponta Grossa, onde alunos de escolas particulares desenvolveram projetos voltados para a coleta seletiva.
     O Prefeito Marcelo Rangel destacou o importante trabalho que a Secretaria de Meio Ambiente desempenha no município. “Desde que a Secretaria foi criada começamos uma nova etapa em Ponta Grossa. Projetos e planos voltados para o meio ambiente são fundamentais para que nossa cidade cresça cada vez mais. O funcionamento dessa máquina comprova o trabalho, dedicação e compromisso com o meio ambiente que a equipe da Secretaria tem com a população”, finaliza.
     O Secretário Municipal de Meio Ambiente, Valdenor Paulo do Nascimento (Cenoura), agradeceu as parcerias com as empresas para trazer a máquina de reciclagem para Ponta Grossa e enalteceu a dedicação dos agentes ambientais que trabalham nas associações. “Com essa máquina vamos reduzir o volume de lixo que vai para o aterro e gerar renda e trabalho para as quatro associações. Nossos agentes ambientais cuidam da nossa cidade, separando e reciclando os materiais. Só tenho a agradecer o Prefeito Marcelo Rangel por ter criado a Secretaria de Meio Ambiente, nossa equipe está trabalhando para que o nossa cidade se desenvolva cada vez mais”, explica .
     O Presidente da ACAMARO, Luiz Carlos Azarias, agradeceu o Prefeito Marcelo Rangel e o Secretário Valdenor em nome de todos os associados.

     Coleta
     Inicialmente, os isopores serão coletados em seis escolas particulares de Ponta Grossa, onde os alunos irão levar o material que serão coletados em bags. O Presidente do Sinepe, Osni Mongruel Junior, explica que os alunos se mostraram muito interessados em ajudar o meio ambiente. “Quando fizemos a proposta dos trabalhos de resíduos sólidos há alguns meses, eles se dedicaram nessa ideia para contribuir ambientalmente com nossa cidade. Agora conseguimos concretizar essa ideia com a coleta do isopor nas escolas”, conta.
     Além das seis escolas, todos os Supermercados Tozetto terão bags para que a cidadãos possam levar os isopores, que depois serão coletados por caminhões da Secretaria de Meio Ambiente e levados para a ACAMARO. Posteriormente, os catadores treinados irão transformar o isopor em outro produto que será coletado pela empresa Santa Luzia Molduras.
     O representante da empresa Santa Luzia, Evandro Fornel de Campos, explica que o material recolhido será levado para Araucária e se transformará em rodapés, molduras, entre outros produtos. “O isopor pode se transformar em inúmeras coisas, além de ajudarmos a gerar renda para os trabalhadores. Compraremos das associações cada quilo do material por 50 centavos e isso no final do mês fará uma grande diferença para eles”, expõe.
     O treinamento oferecido para os catadores ficou por conta da empresa Meiwa. O representante da empresa, Ivam Michaltchuk, contou que o objetivo deles é ajudarem o meio ambiente e incluir socialmente os agentes ambientais. “Temos a visão que temos que conscientizar a população sobre a coleta seletiva, além de preservar o meio ambiente e gerar trabalho e renda para os catadores. Queremos levar essa ideia e projeto para todo o país”, completa.