Ponta Grossa ampliará oferta de moradias com condomínio de idosos

por Josué Teixeira
 
Ponta Grossa está entre as 14 cidades do estado que receberão moradias destinadas exclusivamente para a melhor idade – Programa Viver Mais -. Investimento é de aproximadamente 9 milhões de reais viabilizados através  recursos do Governo do Estado e do Município.
 
 
 
Garantir oportunidades de moradia para a melhor idade. Esse é o objetivo do ‘Viver Mais’, projeto habitacional voltado exclusivamente para a melhor idade e que deve ser implantado em Ponta Grossa nos próximos meses.
A iniciativa, promovida através de parceria entre a Prefeitura e o Governo do estado, foi anunciada durante a visita do governador Carlos Masa Ratinho Junior nesta quinta-feira (24) e deve viabilizar a construção de 40 residências na região do bairro Periquitos. O investimento é de aproximadamente 9 milhões de reais.
De acordo com prefeito Marcelo rangel, o programa vai ao encontro das diretrizes implementadas pelo Município voltadas para a melhor idade. “Nós temos uma preocupação muito grande em oferecer uma estrutura cada vez melhor para a nossa população e isso passa pela atenção e projetos específicos voltados aos idosos. Com o ‘Condomínio Viver Mais’ eles poderão ter uma oportunidade de moradia digna,  com toda a estrutura necessária, e que irá proporcionar uma maior qualidade de vida, com mais saúde e segurança”, declara Rangel.
Segundo o governador Carlos Massa Ratinho Junior, o projeto busca oferecer dispositivos para que os idosos tenham aceso à saúde e ao lazer com acompanhamento constante. “Será um ambiente fechado com 40 casas, onde o idoso poderá morar e terá acompanhamento médico em parceria com a Prefeitura, recreação, hidroginástica, academia ao ar livre, convivência com outros idosos e, acima de tudo, viver em um ambiente saudável onde ele poderá ser feliz”, aponta.
Os primeiros empreendimentos coordenados pela Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar) serão realizados em Ponta Grossa,  Cascavel, Cornélio Procópio, Fazenda Rio Grande, Foz do Iguaçu, Guarapuava, Irati, Jaguariaíva, Londrina, Maringá, Palmas, Piraquara, Prudentópolis e Telêmaco Borba.
Para o diretor-presidente da Prolar, Dino Schrutt, a possibilidade de oferecer moradias com toda a estrutura necessária ao público da melhor idade é um avanço das políticas habitacionais de interesse social e que deve ser fortalecido nos próximos anos. “Não existem, no nosso país, programas habitacionais destinados para a população da melhor idade no formato que o Governo do Estado está promovendo agora”, afirma.  “Hoje nos temos um problema que o idoso acaba ficando em um hiato onde ele não tem idade mais para financiamento, a parcela  acaba ficando muito alta, e, ao mesmo tempo, ele tem renda suficiente para fazer o pagamento da sua unidade habitacional. E é exatamente por isso que  esse programa é de extrema importância. São seis milhões de reais de investimento do Governo do Estado e o aporte de uma área de quase três milhões de reais por parte do município, através da Prolar e da Prefeitura de Ponta grossa, que irão viabilizar esse empreendimento, atendendo esse público específico e que hoje também faz parte do cadastro da Prolar”, completa Schrutt.
Durante o evento, o diretor-presidente da Cohapar, Jorge Lange, também ressaltou a importância como política pública que deve ganhar ainda mais repercussão no médio e longo prazo. “Todos os números indicam que o Brasil, em 2030, terá mais idosos que crianças e  que vai ser necessário um cuidado do estado com as pessoas que conseguem chegar a uma idade mais avançada.  A inovação é se antecipar aos problemas, como nosso governador está fazendo aqui nesse ato,  pensando nas pessoas que vão chegar na terceira idade para que elas tenham qualidade de vida, convivência harmônica e que sejam muito felizes”, conclui Lange.
 

VIVER MAIS PARANÁ

O programa consiste na implantação condomínios horizontais fechados em cidades com mais de 30 mil habitantes. As unidades habitacionais contarão com um dormitório, sala, banheiro, cozinha e varanda, para idosos solteiros ou casais.
Os espaços terão infraestrutura de lazer completa, com praça de convivência, biblioteca, sala de informática, academia ao ar livre, piscina para hidroginástica, horta comunitária, salão de festas e atividades e quiosques próprios para a prática de jogos de tabuleiro e carteado. Também terão ambulatório para atendimentos médicos básicos aos residentes, guarita de segurança e sala de administração.
Poderão participar da seleção das unidades pessoas idosas com renda de um a seis salários mínimos, e que não sejam proprietários de outros imóveis. Os escolhidos poderão residir nas casas por tempo indeterminado, sozinhos ou em casais, com o pagamento de uma contrapartida mensal de 15% de um salário-mínimo, que equivale atualmente a R$ 149,70.